22 de maio de 2019

Ministério da Economia divulga Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas

Conta de Desenvolvimento Energético tem 95,6% do orçamento financiado por consumidores de energia elétrica

Os subsídios cruzados (ou privados) – aqueles financiados por consumidores de um determinado mercado, em prol de outro segmento a ser beneficiado – estão no foco do mais recente estudo, Conta de Desenvolvimento Energético: subsídios públicos e cruzados?, publicado pela Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (Secap), do Ministério da Economia.

De acordo com o secretário da pasta, Alexandre Manoel Silva, o boletim buscou esclarecer a diferença entre essa modalidade e os subsídios públicos – que são financiados pelo contribuinte, por meio de renúncia de receita ou por despesas.

“Neste estudo, aprofundamos a análise sobre a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um fundo setorial que contém tanto subsídio público como cruzado”, observou o secretário, informando que o orçamento previsto para a CDE em 2019 é de R$ 20,2 bilhões, sendo 95,6% (R$ 19,3 bilhões) na forma de subsídio privado ou cruzado (arcados pelo consumidor de energia elétrica) e o restante na forma de subsídio público (4,4% ou R$ 914 milhões).

Alexandre Manoel ressalta que, como os subsídios cruzados não afetam diretamente despesas e receitas da União, faltam instrumentos legais para barrar tentativas de ampliá-los, como, por exemplo, a Lei de Responsabilidade Fiscal ou o Teto de Gastos agem nas contas públicas. Diferentemente da renúncia de tributos, em que é preciso indicar a fonte de compensação dentro do Orçamento, na conta de luz o governo não tem uma linha de defesa. “A única restrição é o Congresso”, explicou, destacando a necessidade de ampliar a transparência dessa modalidade.

Mudança na política

O estudo da Secap mostra que, ao contrário de hoje, entre 2013 e 2014 os subsídios públicos financiaram mais de 2/3 da CDE. “Naquela ocasião, o governo atuou para que as tarifas não fossem excessivamente majoradas, incorporando outros programas na conta, como descontos tarifários a consumidores rurais, entre outros”, explicou Silva.

O boletim aponta que fatores importantes para a formulação de uma política pública não foram observados na política tarifária empregada durante aqueles anos, como ausência de indicadores quantitativos para monitorar e avaliar os resultados. Diante das restrições fiscais evidentes a partir de 2015, os subsídios públicos reduziram sua participação, mas a CDE continuou financiando os mesmos subsídios através de encargos setoriais.

Os principais beneficiários são os sistemas isolados, via a Conta de Consumo de Combustíveis, e os geradores e consumidores de fontes incentivadas de energia (pequenos empreendimentos hidrelétricos, base eólica, solar, etc.), abrangendo 46% dos subsídios. As distribuidoras de pequeno porte, carvão mineral, e os programas com conotação social, como o Luz para todos e consumidores de baixa renda totalizaram 24% dos benefícios.

Entretanto, nem todos os beneficiários das políticas financiadas através da CDE são integrantes do setor elétrico: os 30% restantes são direcionados a beneficiários rurais, da irrigação e aquicultura e para consumidores do setor de água, esgoto e saneamento.

Aprimoramento

O debate recente acerca da redução estrutural das despesas da CDE, especialmente em virtude do comando dado pela Lei 13.360/2016, evidencia a necessidade de aprimoramentos relativos à governança, desenho, efetividade, prazo de vigência, dentre outros nesse importante subsídio, seja em sua parte pública ou privada.

“Nesse sentido, a Secap contribuirá com recomendações de aprimoramento para as políticas financiadas via CDE, por meio de avaliação que será executada em 2019, considerando sua inclusão na agenda de avaliação do Comitê de Monitoramento e Avaliação dos Subsídios da União (CMAS)”, finaliza o secretário.

Por Ministério da Economia / De Portal Contabilidade na TV

Outras notpicias

24 de janeiro de 2022

Planejamento Tributário

Há três tipos de regime de tributação que podem ser adotados pelas empresas: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Entenda uma pouco mais sobre eles: Simples Nacional: Neste regime tributário os valores de alíquotas ...

21 de janeiro de 2022

Preciso de um alto investimento para ini...

Montar seu próprio negócio, sem dúvidas é algo que algum dia passou em sua cabeça, mas, o grande receio é, e o investimento para tal? Pois bem, o que vai definir o montante de ...

17 de janeiro de 2022

Salário Mínimo 2022

Mais uma alteração! Salário mínimo para 2022 tem nova mudança; veja o novo valor Como já informado, o reajuste não trará ganho real aos trabalhadores, uma vez que será uma atualização correspondente a inflação ...

14 de janeiro de 2022

Alterações no acesso ao ambiente do e-CA...

Foram identificadas instabilidades no acesso ao e-CAC nos últimos dias, dentre os esforços realizados para solucionar os problemas, a Receita Federal entrou em contato com representantes da classe contábil para estabelecer uma estratégia ...

13 de janeiro de 2022

Como formalizar o meu negócio?

A última e não menos importante, pois dela irá depender toda a sua organização e consequentemente sucesso de seu negócio é a etapa da legalização de sua empresa, inicialmente você precisará reunir todos ...

12 de janeiro de 2022

Dia Nacional do Empresário Contábil

11 de janeiro de 2022

É possível ter uma empresa online?

A resposta é Sim! Graças à tecnologia cada vez mais avançada, o mundo digital está ampliando as possibilidades de trabalhos possíveis de serem realizados fora dos ambientes corporativos e/ou comerciais tradicionais e tornando-se possível ...

7 de janeiro de 2022

Empresa Inativa e sem movimento

Primeiramente precisamos entender o que é uma empresa inativa e uma empresa sem movimento: Inativa é aquela sem nenhum tipo de atividade realizada, seja ela operacional, não operacional ou financeira, na empresa inativa não ...

5 de janeiro de 2022

A importância de organizar as obrigações...

Anualmente, as empresas precisam fazer um balanço de suas finanças e planejar os ajustes necessários para o próximo período. Essa é uma prática que traz segurança e tranquilidade para manter o negócio nos ...

27 de dezembro de 2021

Novas regras trabalhistas entram em vigo...

👉Transporte dos trabalhadores O vale só poderá ser usado em serviços de transporte coletivo urbano. Empregados domésticos é a única categoria que pode receber o vale-transporte de forma antecipada em dinheiro ou outra forma de ...

23 de dezembro de 2021

GFIP – Câmara aprova projeto que p...

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, o Projeto de Lei 4157/19, que anula débitos tributários pelo descumprimento da entrega da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e ...

21 de dezembro de 2021

O fim da DIRF e seus impactos no eSocial

Dessa maneira, esse sistema vai alterando a maneira como a DIRF era vista, uma vez que a empresa que consegue trabalhar de forma adequada com o eSocial já está transmitindo mensalmente as informações ...

Acesso rápido para clientes e parceiros

Estamos sempre dispostos a ajuda-lô.

Precisa de ajuda com alguma dúvida? Ligue já:
Atenção Cliente: Novos Whattsapp do Escritório Percont
RH – 55 3332-1618
Contabilidade – 55 3332-9512
Fiscal – 55 9 9910-0639